Uma discussão que vejo bastante em alguns fóruns e blogs, principalmente feita por iniciantes em investimentos, é sobre o preço médio dos ativos que temos em carteira. É uma estratégia válida? É um mito que deve ser ignorado? Afinal quando utilizar o preço médio?

Vou explicar a forma que utilizo o preço médio, qual o motivo de guardar essa informação e como ela pode ser válida, assim você determinará se esse dado pode ou não ser útil em sua estratégia como investidor.

O que é Preço Médio?

Quem faz aportes periódicos costuma comprar um mesmo ativo diversas vezes por preços variáveis, a soma desses valores dividido pelas vezes na qual comprou o ativo é o chamado Preço Médio. Esse preço determina a média de valores pelo qual adquiriu o ativo e a Receita Federal usa esse valor médio para determinar o quanto você teve de lucro ou prejuízo em uma operação.

Como calcular o Preço Médio?

Calcular Preço Médio

Um exemplo de como chegar no preço médio de um papel que comprou:

  • Mês 1: Comprei FII11 por 100 reais
  • Mês 2: Comprei FII11 por 200 reais
  • Mês 3: Comprei FII11 por 50 reais

O cálculo seria: 100 + 200 + 50 = 350. Dividido pela quantidade de vezes que comprou (3 vezes), então 350 / 3 = 116,67 (arredondado para cima). Esse seria seu preço médio no FII11, R$ 116,67.

É importante guardar e monitorar esse valor para saber quando se pode sair de uma operação com lucro sem pagar Imposto de Renda, no caso das ações, ou quanto deve ser pago de I.R. caso ultrapasse o limite de lucro das ações ou no caso dos Fundos Imobiliários sempre que houver lucro, claro se não houver prejuízos para compensar, só que aí entramos em outra questão que não é a do preço médio…

Agora uma forma errada de utilizar o preço médio é para definir a rentabilidade da sua carteira e vou explicar o motivo dessa minha afirmação.

Você comprou um hipotético FII11 por 100 reais a cota e ele paga R$ 1,00 de renda por mês, logo uma rentabilidade de 1% ao mês no seu preço de aquisição.

O FII11 subiu para 200 reais a cota e continua pagando R$ 1,00 de renda por mês, agora sua rentabilidade a preço de mercado é de 0,5% por mês.

Quando utilizar o Preço Médio?

Você pode me indagar: “Só que eu comprei por 100 reais, não me importa se está 200 reais a cota, minha rentabilidade é sobre o que eu paguei!”. E vou te responder, não é não.

Quando operamos em valor de mercado o que conta é o preço do mercado, caso você venda sua cota não será mais 100 reais correto? Será por 200 reais, o novo preço que estão pagando pelo seu FII.

Logo se você leva isso em conta então deve levar também em conta que a nova rentabilidade da cota é de 0,5% pois a renda de R$ 1,00 paga por mês não foi reajustada para o novo valor da cota e ter essa consciência permite analisar oportunidades de investimento que poderia conseguir pelo mesmo dinheiro que está investido na cota.

Um exemplo de uma análise de oportunidade que mencionei é o seguinte: Sua cota de 200 reais a mercado paga R$ 1,00 por mês, certo? Essa é a mesma rentabilidade que você poderia obter na caderneta de poupança, sem nenhum risco e sem a possibilidade de perda do principal.

Agora se você pensar só no preço de 100 reais que pagou um dia nessa cota, que dá uma rentabilidade de 1% ao mês ainda, então ficaria se enganando porque agora sua cota vale 200 e não importa se você pagou 100, da mesma forma que se ela caísse para 50 reais e a renda de R$ 1,00 continuasse sendo paga, a rentabilidade desse FII11 seria de 2% e não faria sentido trocar esse Fundo por uma aplicação que pagasse menos que 2% se os fundamentos da sua escolha deste FII não mudaram por causa da queda do preço das cotas.

Conclusão sobre Preço Médio

A conclusão que devemos chegar é de que o preço médio é um parâmetro para ser observado em função de Imposto de Renda, para saber quanto deve pagar de DARF ou se livrar do pagamento desta.

Já na área da análise de oportunidades ele não deve ser levado em conta, e sim o preço da cota no mercado, porque esse preço é que vai te mostrar se a sua atual aplicação possui alguma vantagem em relação a outras.