Já passam dos dez os livros que contei nas prateleiras com títulos como “meu primeiro milhão”, “1 milhão antes dos xx anos” e por ai vai. Muitos destes livros são verdadeiros best-sellers, com mais de um milhão de vendas, inclusive, recomendo alguns, pois tratam de economia básica sobre finanças, ideal para quem deseja, mas não tem controle para conseguir poupar. O que pude perceber é que, mesmo tendo recordes de vendas, estes livros são visto com certo desdém por muitos. Parece que as pessoas quando leem “1 milhão”, o subconsciente propaga uma mensagem para o consciente com a palavra “impossível”. Mas não é!

Sabendo disto, prefiro pensar que antes de chegar ao primeiro milhão, preciso conquistar a casa dos 50 mil, depois os 100 mil, em seguida os 300 mil e 500 mil, depois precisarei de 800 mil, para, enfim, aumentar um dígito e chegar aos 1.000.000,00.

Então traçamos um objetivo específico: R$50.000,00. Dividimos este objetivo em 5 partes de R$10.000,00 cada. Agora vamos cumprir cada parte e sempre que atingirmos R$10.000,00, lembramos que temos 20% do objetivo concluído e ao final não teremos apenas R$50.000,00 e sim 5% de 1 milhão de reais.

Seguirei o pressuposto de uma pessoa que ganha R$2.000,00 mensais. São necessários os gastos comuns para sobrevivência como, combustível, contas domésticas, celular, estudo, bens de consumo, prestações de veículo/apartamento, cartão de crédito, etc. Todas estas contas consomem 100% do salário, porém, para poupar é preciso obedecer um pilar primordial: “cortar gastos”. As contas domésticas são sempre necessárias e mais difíceis de economizar, principalmente quando mais pessoas moram sobre o mesmo teto; as prestações costumam ter valores fixos, então, não há possibilidade; se se gasta com estudo a mensalidade provavelmente não diminuirá; o que pode-se fazer é tentar gastar menos com combustível, talvez, em dias tranquilos, usar o transporte público ou uma carona; minimizar os gastos com bens de consumo, como roupas, sapatos, presentes, etc; e, sem nenhuma dúvida, cortar o cartão de crédito, geralmente compra-se a crédito tudo aquilo que não se precisa. (Obs.: quase sempre dá pra perceber se uma pessoa tem ou não dinheiro na poupança, quando ela cita o valor da fatura do cartão de crédito).

Marcando-metas

Assim, fazendo um pequeno balanço da sua vida financeira pessoal, você perceberá facilmente em que pode deixar de gastar e economizar. Suponhamos, então, que seja possível economizar R$200,00/mês. Com essa quantia debaixo do travesseiro teremos R$2.400,00 em um ano. Daqui pra frente é bom acostumarmos com um pensamento muito comum: “Dinheiro faz dinheiro e com dinheiro cria-se oportunidades”. Com uma pequena quantia na mão, oportunidades começarão a aparecer para você, na verdade elas sempre batem à porta, mas quando não se tem dinheiro para aproveitá-las, acabamos por rejeitá-las.

Como são estas oportunidades? “No mês passado (março), um conhecido estava passando na rua quando viu um acidente de carro. Como todo bom brasileiro, curioso, parou para saber do que se tratava e logo fez amizade com o dono do veículo batido. Na conversa o rapaz disse que havia ‘desanimado’ do carro e que queria vende-lo, era um Fiat Tipo 95. Este conhecido interessou no negócio, percebeu que os danos foram apenas na lataria e outras pequenas coisas e arrematou o veículo batido por apenas R$900,00, pagou a vista. Levou o veículo para a mecânica, arrumou as avarias na lataria, trocou algumas peças do motor, arrumou o estofado que estava bem gasto e ainda mandou que revitalizasse a pintura. Gastou com o veículo R$2.000,00. No início deste mês (abril), enquanto lavava o veículo na rua de casa (já com uma placa de vende-se), um rapaz passou, gostou do carro e o comprou por R$5.100,00”.

Se este conhecido não tivesse R$2.900,00, em dinheiro, na mão, poderia ver a oportunidade, mas jamais a aproveitaria. O dinheiro torna possível aproveitar o máximo das oportunidades. Foi assim que com menos de 30 dias foi possível realizar R$2.200,00 de lucro.

“Em outubro/2010 observei que uma determinada região, próxima de onde resido, estava em expansão e valorização. Fui até a área e consegui adquirir um lote no valor de R$15.000,00, paguei a vista e hoje, 2 anos e 6 meses depois, não o vendo por menos de R$80.000,00 e ainda pretendo segurar um pouco mais”.

Fazendo “jogadas” (sábias, sem muito risco) com o dinheiro, fica impossível determinar o tempo que um patrimônio vai dobrar ou triplicar, mas uma coisa é certa, logo o capital atingirá a meta de R$10.000,00. Estamos então com 20% da meta concluída.

Oportunidades

Continuando com este pensamento, você perceberá que as tais “jogadas” que anda fazendo por ai com o seu dinheiro, se aventurando e fazendo-o multiplicar, são puros investimentos e você se tornou um especulador do mercado. Ora não é comprando e vendendo empresas que os acionistas ficam o tempo todo?

Enfim, separando o objetivo em 5 partes, talvez fique mais fácil de assimilar que R$10.000,00 nem é tanto dinheiro assim e quando tiver na casa dos R$30.000,00, verá que R$50.000,00 também pode ser pouco e você já será 5% milionário. Boa sorte, sucesso e nunca se esqueça: DINHEIRO NOS FAZ APROVEITAR BOAS OPORTUNIDADES.

 

Escrito por: Luciano Moulin
Estudante em Ciências Econômicas pela PUC.