Mais um mês com várias movimentações na carteira, estamos nos aproximando do final do ano e estou com a estratégia de concentrar mais dinheiro em menos ativos.

Fiz uns estudos sobre a minha carteira e identifiquei alguns pontos fracos de ter tantos ativos, além do retorno reduzido obviamente, tenho um custo muito grande para balancear as porcentagens de cada ativo na carteira com as compras mensais e alguns fundos imobiliários que estão na casa dos quatro dígitos atrapalham na hora de recomprar as cotas com os próprios aluguéis… Entendo que para potencializar os juros compostos e girar menos, tenho que deixar menos ativos na carteira e manter a alocação de ativos entre ações, fundos imobiliários e renda fixa, que no caso escolhi o Tesouro Direto exclusivamente para esse papel.

 

Carteira General Setembro 2015

Carteira General Setembro 2015

 

Minha estratégia de swing trade com a PETR4 não teve o mesmo sucesso de agosto, a ação caiu com um gap e pulou meu stop loss, fiquei com a ação em carteira e para me proteger vendi opções coberto de PETRJ9.
Isso significa que deixei as minhas ações da PETR4 como garantia da venda das opções de PETRJ9 ficando com o prêmio da opção, o risco aqui é da ação subir muito acima de R$ 9,00 até o dia 19/10 quando vence a opção e eu deixar de lucrar bastante com ela, no entanto como meu preço médio é de R$ 8,52 ainda lucraria com a diferença até 9 reais e mais o prêmio que foi de R$ 0,09 por papel. No final do mês de Setembro recomprei as opções de PETRJ9 por R$ 0,04 encerrando a operação, pois os gráficos indicavam que a ação voltaria a subir.

A VIVT3 continua em queda e não estou mais comprando essa ação. Não porque deixei de acreditar na empresa ou porque mudaram os fundamentos, apenas não comprei mais porque não vejo nessa ação uma valorização tão forte no médio prazo (2 anos) que compense colocar agora mais dinheiro, estou pensando em alugar as ações e ver se vale a pena manter na carteira.

Nos fundos imobiliários fiz várias mudanças, eles agora representam 50% dos investimentos da carteira. Comprei fundos imobiliários com contratos atípicos de longo prazo, aproveitando os altos descontos nos papéis para ter boa margem de segurança e ganhando previsibilidade na renda mensal com os aluguéis desses fundos. E mais uma das mudanças foram as vendas de fundos no setor de shoppings que devem enfrentar turbulências nesse cenário de alta inflação e pouca confiança dos consumidores, ninguém está pensando em gastar com supérfluos, conservei apenas um fundo imobiliário desse setor na carteira que ainda vejo perspectivas de valorização no longo prazo.

No Tesouro Direto não comprei mais títulos, estou satisfeito com a porcentagem que representam sobre a carteira global e por enquanto não devo comprar mais nada nesse setor. Os títulos que comprei pré-fixados estão em queda por conta da expectativa de alto dos juros que se refletiu nas taxas ofertadas e isso derruba o valor dos títulos, como pretendo segurar até o vencimento ou até que as taxas de juros sejam corrigidas para baixo, não me preocupo.

E se você tem dúvidas sobre o Tesouro Direto ou quer investir nessa modalidade, visite o artigo que escrevi especialmente para você: Tesouro Direto: O Guia Completo.

 

Movimentações da Carteira General em Setembro de 2015

Compra de Fundos Imobiliários: Agências bancárias e Educacional
Venda de Fundos Imobiliários: Shoppings e Escritórios
Compra de Ações: PETR4

 

Rentabilidade por setor da Carteira General

Ações: -12,52%

Fundos Imobiliários: -4,17%

Tesouro Direto: -1,03%

 

Resumo do fechamento Setembro de 2015

Dividendos: +0,53%

Corretagens/Impostos: -0,05%

 

Rentabilidade do mês: -5,17%