O mês de Julho passou voando, estou com diversos projetos no trabalho e isso faz com que o tempo passe de forma muito mais rápida. Visitei os blogs dos colegas da blogosfera, os níveis dos textos e dos comentários está bem alto, é bom demais ter leituras como essas e recomendo que visitem os Blogs Recomendados na página inicial para conhecer todos eles.

Estou estudando mais uma mudança de estratégia, concentrar a alocação da carteira em poucos fundos imobiliários para ampliar os juros compostos, reaplicando de forma mais eficiente os aluguéis recebidos. Alguns fundos possuem valores muito altos que preciso acumular aluguéis por algum tempo para aportar neles novamente, isso faz com que fique meses sem receber juros sobre juros, pois aguardo um determinado valor para conseguir comprar uma única cota, por exemplo do HGRE11 que tem oscilado acima de 1400 reais uma cota, precisaria ter milhares de reais nesse ativo para poder reinvestir no próprio ativo… É um pensamento que ainda estou amadurecendo por discussões com outros investidores e fazendo umas contas nas planilhas, o seu comentário é bem vindo nesse debate!

 

Carteira General Julho 2015

Carteira General Julho 2015

 

A minha única ação em carteira VIVT3 (VIVO) parece que voltou ao eixo e começou a recuperação de valor do papel. Segundo os comunicados que recebi durante o mês de Julho, finalmente acabaram a fusão com a GVT e os resultados já foram unificados nas demonstrações trimestrais que enviaram, foram diversos ganhos para a VIVO e também agora uma significativa dívida de curto prazo para pagar pela compra da totalidade da GVT. O caixa da empresa é enorme e vão conseguir pagar tranquilamente, para o médio prazo tenho uma boa impressão sobre a operação e vou carregar o papel por mais algum tempo.

Nos fundos imobiliários tivemos uma grande valorização de vários fundos e acabei me desfazendo de alguns do setor de escritórios, no qual estava muito exposto. Agora esse setor da carteira ficou bem balanceado como pode ser visto nos gráficos do começo do texto.

No Tesouro Direto fui as compras novamente, está complicado ignorar as taxas oferecidas e com baixíssimo risco. Comprei títulos pósfixados e atrelados a inflação (IPCA), também estou pensando em alguns atrelados a SELIC por conta da última reunião do COPOM que parece nos dizer que essa taxa será alta por um bom tempo ainda.

E se você ainda tem dúvidas sobre os nomes dos títulos, por favor leia o texto que escrevi faz algum tempo das nomenclaturas do Tesouro Direto.

 

Movimentações da Carteira General em Julho de 2015

Venda de Fundos Imobiliários: Escritórios
Compra de Tesouro Direto: IPCA+ 2019, IPCA+ com Juros Semestrais 2020

 

Rentabilidade por setor da Carteira General

Ações: +4,51%

Fundos Imobiliários: +1,66%

Tesouro Direto: +1,95%

 

Resumo do fechamento Julho de 2015

Dividendos: +0,90%

Corretagens/Impostos: -0,03%

 

Rentabilidade do mês: +1,45%