O mês de abril foi um mês com muito giro e várias mudanças na Carteira General como vão poder conferir no gráfico e nos comentários que farei mais abaixo.

Nos aproximando das eleições podemos ver que já começam a utilizar vários dados para manipular a Bolsa e nós pequenos investidores devemos saber aproveitar isso, evitando ações que possuem muita influência do Governo e olhar para áreas onde essas notícias impactam apenas no curto prazo, aportando com objetivo sempre no longo prazo, essas notícias não vão nos afetar… Exceto para quem investe em Petrobrás, ai o buraco é mais embaixo, rs.

Aproveitei para balancear a Carteira General, realizei vendas de ativos e ela ficou um pouco mais enxuta na área dos fundos imobiliários, enquanto aumentou na diversificação das ações e nos títulos do Tesouro Direto.

Carteira General Abril 2014

 

Esse mês fiz mais movimentações do que o normal, isso se refletiu no dobro de gasto com corretagens e impostos, mas agora devo me concentrar nos aportes constantes na seleção atual de ativos que compõem a carteira e acrescentar ainda alguns fundos imobiliários para diminuir o risco nesse setor utilizando os aportes futuros, estou focado em poucos fundos e isso não é muito recomendado.

Como estava imaginando sobre a TEMP3 tinha mesmo fundamento a notícia sobre as conversas com a Unimed e fecharam um acordo, recebi um aviso por email do fato relevante, mas já havia liquidado todos os papéis da carteira um pouco antes e com um bom lucro, os critérios para escolha da TEMP3 já não estavam mais sendo atendidos, com as mudanças da diretoria, venda de ativos e indicativos, na minha opinião, além de uma margem de segurança para uma empresa deste porte em relação as demais ofertas da Bolsa do mesmo setor.

Comprei mais ações do BBAS3 e VALE5, ações que devo aportar sempre que puder. A nova ação da carteira é a QGEP3, Queiroz Galvão Exploração e Produção, empresa que atua no setor de Petróleo e Gás, um setor que já queria ter algum papel representando, se não fossem os escandâlos políticos provavelmente seria Petrobrás que está muito barata, mas não consigo confiar na administração dela e então vi a QGEP3 que não acompanhava, li os relatórios, vi que é relativamente nova na Bolsa e que possui políticas de transparência na gestão estando cotada no Novo Mercado da Bolsa de Valores, isso me atrai bastante, vou acomapanhar a evolução dos papéis e quem sabe aumentar a posição.

Nos fundos imobiliários a decisão foi até óbvia, eram fundos de aposta no crescimento e não na renda presente. Acompanhando os relatórios (mal feitos por sinal) do VLOL11 e BBRC11, não tive mais dúvidas de que os gestores fizeram péssimos trabalhos,  não conseguiram contratos a tempo no caso do VLOL11, só se acontecer algum milagre e não vou pagar mais para ver, e no caso do BBRC11 não cumpriram nenhum dos prazos que deram desde o lançamento do fundo, a paciência esgotou… Os recursos foram direcionados para outros papéis da carteira com rentabilidade ótima.

 

Movimentações da Carteira General em Abril de 2014

Compra de Ações: QGEP3, VALE5, BBAS3

Compra de Fundos Imobiliários: RNGO11 e TRXL11

Compra de Tesouro Direto: NTN-F 010125

Venda de Ações: TEMP3

Venda de Fundos Imobiliários: BBRC11 e VLOL11

 

Rentabilidade por setor da Carteira General

Ações: -0,97%

Fundos Imobiliários: +3,30%

Tesouro Direto: +1,61%

 

Resumo do fechamento Abril de 2014

Dividendos: +0,71%

Corretagens/Impostos: -0,16%

 

Rentabilidade do mês: +1,39%