Uma estratégia bastante utilizada por investidores Buy & Hold para manter suas ações por um longo prazo e remunerar a carteira, sem muitos riscos, essa tática é o aluguel de ações.

Quando você é proprietário de um imóvel e decide alugar para ganhar algum dinheiro, porque não pretende vender aquele imóvel no curto prazo, essa é a mesma lógica para alugar uma ação.

O que é aluguel de ações?

A operação de alugar ações se trata de transferir temporariamente a possa de suas ações para outro investidor, cobrando uma taxa por um tempo determinado e, depois desse período, receber as mesmas ações de volta.

O investidor que disponibiliza suas ações para aluguel é chamado de locador ou doador, já o que pega as ações alugadas é chamado de locatário ou tomador.

Como funciona o aluguel de ações?

O investidor doador colocar suas ações para alugar por intermédio de uma corretora de valores e sob a regulação da BM&FBovespa, tornando o processo mais seguro.

O investidor tomador recorre a corretora de valores para alugar ações para sua operação que, mediante a mesma regulação da BM&FBovespa, fornece as ações disponíveis para o tomador e recebe os juros para repassar ao doador.

Aluguel ações

A imagem acima ilustra bem uma operação de aluguel, onde o Investidor 1 seria o doador e o Investidor 2 o tomador.

Perceba que o Investidor 1 coloca para aluguel 100 ações da PETR4 em custódia da BM&FBovespa e o Investidor 2 toma essas ações da BM&FBovespa, deixando como garantia o seu dinheiro e pagando os juros que serão repassados ao Investidor 1.

Por que alugar ações?

Existem motivos para os dois lados dessa operação optarem por realizar o aluguel de ações.

Locador / Doador

  • Rentabilizar ações que estão paradas na carteira e não pretende vender no curto prazo;
  • Continuar recebendo juros, bonificações e dividendos das ações, mesmo alugadas;
  • Usar o aluguel para comprar mais ações ou aplicar em outros ativos.

Locatário / Tomador

  • Vender as ações alugadas e depois recomprar na queda, lucrando com a diferença;
  • Usar as ações alugadas como cobertura na venda de opções de compra;
  • Usar as ações alugadas como garantia de uma venda descoberta de ações;
  • Usar as ações alugadas como garantia de operações nos mercados de liquidação futura.

Exemplo de operação com aluguel de ações

Na imagem a seguir está um exemplo de uma operação feita com o aluguel de ações, sendo as etapas representadas pelos meses.

Operação aluguel ações

 

No mês 1 o Investidor 1 possui 100 ações da PETR4 em carteira e o Investidor 2 tem o dinheiro para operar, mas não as ações.

No mês 2 o Investidor 1 coloca a disposição para alugar suas 100 ações da PETR4 que são tomadas pelo Investidor 2, esse por sua vez paga os juros ao Investidor 1 e vende as ações no mercado à vista.

No mês 3 o Investidor 2 recompra as 100 ações da PETR4 que caíram e devolve as 100 ações para o Investidor 1, ficando com o lucro da diferença entre o preço de venda e o de compra.

Essa é, provavelmente, a operação mais comum utilizada na Bolsa de Valores com ações alugadas.

 

Riscos do aluguel de ações

Para o doador, desde que feito conforme a lei, não existem riscos, pois a BM&FBovespa pede várias garantias ao tomador das ações e regula toda a operação para que não ocorram danos ao proprietário das ações.

Já o tomador é quem assume o maior risco, porque está sujeito as variações da ação durante o período do aluguel e ainda existe o custo do aluguel que deve ser pago ao doador.

Imposto de Renda

O aluguel de ações é classificado como renda fixa, pois não oferece risco ao doador e o remunera com uma taxa pré-acordada no momento do contrato com o tomador, por isso, sofrerá incidência de imposto de renda de acordo com a tabela regressiva sobre os rendimentos.

O imposto de renda sobre os rendimentos pode variar entre 22,5% e 15%, dependendo do prazo do contrato de aluguel. Essa tabela é idêntica ao de outros investimentos de renda fixa, como o Tesouro Direto.

  • Até 180 dias, IR de 22,5%
  • Entre 181 dias até 360 dias, IR de 20%
  • Entre 361 dias até 720 dias, IR de 17,5%
  • Acima de 720 dias, IR de 15%

O mais comum é que o prazo de aluguel seja menor do que 180 dias, então a alíquota será de 22,5% sobre o valor do aluguel recebido.

Taxas de remuneração

A média das taxas do aluguel de ações costumam variar entre 2% e 5% ao ano, isso dependerá da demanda pelo aluguel das suas ações e pode variar para baixo ou para cima.

Essa taxa é definida no momento da criação do contrato do empréstimo das ações com a sua corretora de valores.

Como alugar ações ou colocar para aluguel?

Algumas corretoras permitem realizar essa operação direto pelo Home Broker, mas outras já exigem que você envie um e-mail ou ligue para elas, recomendo que entre em contato com a sua corretora de valores para perguntar sobre o procedimento.

Independente do canal onde você vai fazer a operação, será necessário responder a esses questionamentos:

  • Quantidade do ativo-objeto (ação), em números inteiros e mínimo de 1;
  • Taxa, será a remuneração do doador e obrigação do tomador durante o aluguel;
  • Reversibilidade pelo doador, indica se o doador pode ou não pedir a devolução antecipada das ações;
  • Crédito de margem, habilita ou não os contratos reversíveis como garantia de margem;
  • Data de carência, quando os contratos reversíveis pelo tomador poderão ser renovados ou liquidados antecipadamente.
  • Data de vencimento, é o prazo máximo de vencimento da oferta ou contrato de aluguel.

Avalie seus objetivos

Como sempre escrevo por aqui, você deve avaliar quais são os seus objetivos antes de alugar suas ações, pois elas ficarão inegociáveis enquanto estiverem nas mãos do tomador e, esse por sua vez, deve pagar ao doador uma taxa anual sem a garantia de sucesso em suas operações.

Espero que tenha gostado do artigo e se fizer sentido para você ajudar seus amigos e amigas, compartilhe com eles esse artigo e dissemine o conhecimento!